Além da catedral francesa de Chartres, merece um comentário a Abadia de Rosslyn, na Escócia, perto de Edimburgo. Depois da dissolução da Ordem do templo, entre 1307 e 1314, muitos dos sobreviventes se transferiram para a Escócia, e Rosslyn foi o último reduto Templário. Alguns eminentes investigadores e historiadores suspeitam que poderia ser o esconderijo definitivo da Arca da Aliança que os templários haviam levado e escondido ali, junto com seus outros tesouros, nunca encontrados.
Outro fato que merece menção é o Porto de La Rochelle. Situado no sul da França, era onde atracava a Armada Templária. Depois do início da perseguição aos Templários, a armada desapareceu e nunca mais se teve notícia dela. Teriam os Templários fugido com seus imensos tesouros a bordo? E o Santo Graal? Segundo consta, estava sob o poder dos Cavaleiros do Templo e também desapareceu nas brumas do tempo. A última menção que se tem dele, foi numa obscura cerimônia de Consagração realizada no ano de 1316 no castelo de Gisors, na França, onde nove cavaleiros (nove novamente!) teriam bebido do Cálice, buscando a imortalidade, afim de evitar o fim da Ordem.
Como se pode ver, os Templários são um contínuo enigma. Enigma que, muitas vezes, se remontam a noite mais remota dos tempos. Ancestrais ritos, milenares relíquias sagradas, alquimia, magia...em tudo isso aparece mesclado o nome dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do templo de Salomão. Pode ser que sejam simples fantasia, mas não podemos deixar de nos perguntar: a que conhecimento oculto tiveram acesso os Templários? Até onde abarcava seu saber? Pode ser que um dia venhamos a saber, mas até lá devemos nos contentar com o que nos contam as lendas...

CAPELA DE ROSSLYN